Matheus Arcaro

Criatividade em cena

Simploriamente, poderíamos dizer que criatividade é imaginação posta em prática.
Mas o que é imaginação?
É a imagem em ação, ou seja, imaginação é dar movimento, criar imagens.

Quanto mais criamos imagens, forjamos situações em nossa cabeça, mais estimulamos a nossa criatividade.
É justamente com esses preceitos que trabalha o professor Valdemar Setzer, um dos mais obstinados críticos dos meios eletrônicos e o seu impacto sobre a educação, principalmente no que tange à televisão.

Segundo ele, a TV é maléfica, principalmente para crianças, pois as imagens chegam prontas, sem induzirem a qualquer esforço mental. A velocidade e o bombardeio constante de imagens impedem que o telespectador desenvolva qualquer tipo de raciocínio. No processo educativo, o aprendizado resulta de uma atividade interior, da associação de idéias, da contextualização daquilo que se aprende. A TV não exige qualquer esforço de associação, atuando, portanto, como uma "antítese da educação".

Como a TV deixa a pessoa passiva tanto fisicamente (ações) quanto nos pensamentos, sobram os sentimentos. Tudo o que atinge os sentimentos de maneira forte e agitada atrai os telespectadores. Daí a transmissão (e consequentemente a indução) à violência, desde os desenhos animados (terríveis para crianças, pois apresentam sempre uma caricatura do mundo) até crimes, passando por esportes excitantes ou violentos. Se uma cena bucólica, lenta, carinhosa, for transmitida, os telespectadores provavelmente achá-la-ão "chata" e, por conseguinte, mudarão de canal.

É o contrário do que acontece, por exemplo, na leitura de um romance. Com o livro, a criatividade é estimulada, já que é o leitor quem forma as imagens, ao seu modo, ao seu tempo.

O computador também não escapa às criticas do professor, principalmente se usado por crianças. “O computador força um pensamento algorítmico, isto é, matemático, discreto, expresso por meio de uma lógica simbólica. Isso é altamente prejudicial às crianças, pois é próprio só de adultos. Ele acelera indevidamente o desenvolvimento intelectual das crianças e jovens. Observe-se uma criança usando um computador: ela está numa atitude infantil ou adulta?” E ele arremata: ”Deixem as crianças serem infantis, não lhes dêem acesso a TV, jogos eletrônicos e computador!"

Obviamente a Internet é um grande avanço e uma riquíssima fonte de pesquisa. Mas é justamente aí que pode morar o perigo. Se não utilizada com discernimento, a rede, pela facilidade que ela propicia para o encontro de informações, nos exige menos esforço mental e isso pode atrofiar nosso instinto, nosso senso de busca. Outro ponto a ser analisado é a questão do relacionamento humano que tende a tornar-se frívolo com o uso de bate papos, páginas de recados, etc. Quantos amigos os adolescentes de hoje têm que sequer conhecem pessoalmente?À medida que o real e o virtual se misturam, aumenta-se significativamente a possibilidade de formar pessoas com sérios problemas de socialização.